Fuji-Q Highland e suas atrações doentias

20160218_104952

Ah o Japão! Nunca consegui tanto material para o blog em um só lugar como nesta viagem para a terra do sol nascente (e do frio, cacete que frio). Começo minha jornada pelo parque de diversões que fica há 1h40 de distância de Tóquio, chamado Fuji-Q Highland. Isso mesmo, como o nome já diz o parque fica bem perto do Monte Fuji, contando com uma vista privilegiada do ponto mais conhecido do Japão.

Entretanto não é apenas pela proximidade com o monte que o parque é conhecido. Suas montanhas russas gigantes e insanas que desafiam a dignidade humana e a masculinidade dos mais heterossexuais dos homens são suas principais atrações. Diferente de tudo que eu já havia visto no que diz respeito a montanhas russas, o Fuji-Q é um parque exclusivamente pra quem gosta de atrações radicais e assustadoras. Se você está procurando um simuladorzinho do Toy Story ou uma Big Thunder Mountain leite com pera da Disney, você terá pouco o que fazer no Fuji-Q. Agora, se você é um caçador de emoções, seja bem-vindo ao paraíso.

O PARQUE

fujiq1

Antes de mais nada: ATENÇÃO AO CLIMA E AO HORÁRIO. Por mais legal que o Fuji-Q seja, ele é uma roubada gigante em dia de chuva. Não só atrapalha a vista pro monte, como boa parte das atrações (incluindo as 4 principais montanhas russas) ficam fechadas! Ou seja, jamais compre ingressos antecipados e não tenha medo de cancelar sua ida caso esteja chovendo ou com risco alto de chuva. Outra dica: vá de manhã e se informe do horário de fechamento do parque. Quando fui, as portas se fecharam as 17h, bem mais cedo que o normal em parques de diversões.

Dito isso, posso dizer que umas seis horas (11h ~ 17h) são mais que suficientes para fazer valer o seu ingresso. O parque não é muito grande e apesar de possíveis filas longas, não são tantas atrações assim para te deixar desesperado. O que chama atenção de cara são as 4 montanhas russas principais, mas você encontrará também outras atrações divertidas e bons lugares para tirar fotos. Em 20 minutos já dá pra percorrer toda a extensão, deixando o resto do dia pra ficar nas filas e repetir os “brinquedos” mais legais.

Os ingressos podem ser comprados na hora e existem duas opções de escolha: “Passe diário” (válido para ir em todas as atrações, com exceção das casas de terror), que custa 5.200 ienes (em torno de R$ 180,00), ou “Ticket de entrada” (só libera a entrada, te obrigando a pagar individualmente por cada atração que quiser ir), que custa 1.400 ienes (em torno de R$ 50,00). Tenha em mente que cada atração adulta custa uma média de 800 a 1.000 ienes. Eu optei pelo passe diário + ônibus de ida e volta para Tóquio. Explico esse pacote mais abaixo quando for falar de “Como chegar”.

AS ATRAÇÕES

20160218_104958

Fique atento aos tempos de espera, quando fui a média das filas era entre 1h e 1h30 nas 4 principais atrações. De resto não passava muito de 30 minutos. Eles possuem um passe corta fila, mas não vejo tanta necessidade.

  • Fujiyama – Uma das montanhas russas mais altas do mundo, ela oferece uma visão impressionante do Monte Fuji no seu topo, logo antes do carrinho cair em alta velocidade e levar sua dignidade embora. O passeio começa com uma subida longa e torturante de 79 metros, quando todos os arrependimentos possíveis bate em você. Depois disso são só gritos, ventos e frios na barriga. Mas a diversão é garantida!
  • Dodonpa – A atração com maior aceleração de lançamento do mundo. Ou seja, você é lançado como um tiro de uma arma, sua cara fica parecendo um desenho animado tamanha velocidade que o carrinho atinge (confira a foto no final para entender o que estou falando). Minha favorita!
  • Takabisha – A montanha russa com o nome mais engraçado para brasileiros (convenhamos) conta com o recorde mundial de queda em 121º graus. Pois é, acho que não preciso dizer mais nada.
  • Eejanaika – Sabe quando você olha o que está na sua frente e se borra só de se imaginar lá dentro? Pois é, eu desisti da nobre Eejanaika. Mas basta vocês saberem que além das 14 inversões no trajeto, seu carrinho gira, gira e gira com você dentro. Essa é para os fortes.
  • Tondemina – Um conceito similar ao do famoso barco viking, só que mais doentio e mais radical.
  • Red Tower – Torre com queda em alta velocidade. Legal, mas nada de outro mundo. Como referência, a Red Tower tem 52 metros de altura, o Cabum da finada Terra Encantada tinha 87 metros.
  • Fuji Airways – Um simulador de voo legal e bem tranquilo, estilo o Soarin’ do Epcot na Disney, mas com temática do Monte Fuji. As filas não são longas e você pode conferir enquanto espera um vídeo com a história fake da “Fuji Airways” muito divertido.
  • Great Zaboom – Uma queda aquática bem divertida, você vai dentro de um veículo fechado então não molha nada. Zero de fila, então vale a pena.
  • Nagashimasuka – Atração aquática de botes. Não fui, mas parece que molha bastante. Cuidado que a região do parque costuma ser muito fria!
  • Evangelion World – Nada mais que uma exposição sobre o anime Evangelion. Tem algumas artes conceituais e bonecos dos personagens. O mais legal é a cabeça de Eva em tamanho (supostamente) real.

Existem outras atrações, desde as casas de terror (que não fui, mas parece que assustam bastante) até as mais infantis, ai vai de cada um com o que despertar mais interesse. Fora do parque podem ser encontrados também um boliche e um Onsen (banho termal). Lista completa de atrações no site oficial.

ALIMENTAÇÃO

20160218_175128

O delicioso bolinho de porco e legumes do terminal de ônibus.

Tem uma certa variedade de comida, desde hot-dog e kebab até coisas mais tradicionais japonesas como lamen e yakisoba. Nenhuma me pareceu muito apetitosa e todas tinham valores mais elevados se comparados com a cidade, mas nada muito diferente de outros parques. O yakisoba quase na entrada, ao lado da fila da Fujiyama, é uma opção de bom custo-benefício (era algo em torno de 600 ienes, ou R$ 20,00). A estação de ônibus que tem anexa ao parque tem opções mais baratas para lanchinhos, como “pizza japonesa” e “bolinho de porco”.

COMO CHEGAR

20160218_103932

Primeira vista do Monte Fuji no ônibus indo pro parque.

O parque é atendido pela estação de trem Fujikyu-Highland Station, mas para quem está hospedado em Tóquio eu recomendo ir de ônibus. O próprio parque oferece um pacote chamado “Toku-Q Pack”, que engloba ônibus de ida e volta com hora marcada + ingresso com passe diário, por 6.700 ienes (em torno de R$ 230,00). Os ônibus saem do terminal ao lado da estação Shinjuku de Tóquio e você pode escolher os horários pela internet na hora da reserva. O pagamento é somente no dia da viagem, na hora de retirar o bilhete do ônibus no terminal. Só mostrar a confirmação impressa e falar “Toku-Q Pack” que a atendente já te dá suas passagens e um recibo do ingresso do parque pra ser retirado na bilheteria. Recomendo imensamente esta opção, visto que os trens saindo do centro da cidade vão custar em torno de 1.300 ienes cada trecho. Para saber mais sobre o pacote, veja no site oficial do Fuji-Q clicando aqui.

CONCLUSÃO

20160218_164206

Encerre o dia vendo isso! Não tem preço.

Uma ótima daytrip de Tóquio, perfeito para quem gosta de fortes emoções. Vale tanto pra quem está em grupo quanto pra quem está sozinho. Ao terminar o passeio, não esqueça de subir na passarela logo ao lado do terminal de ônibus do parque e aproveitar para tirar muitas fotos do glorioso e lindo Monte Fuji.

3 comentários sobre “Fuji-Q Highland e suas atrações doentias

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s